Meu site não tem bom desempenho no googlepage speed: como resolver?

Meu site não tem bom desempenho no googlepage speed: como resolver?
30 de novembro | Analytics, Clientes, Google, Javascript, Leads, Marketing digital, Negócios | Impactamídia |

1. Menos código HTML

A otimização do código HTML pode passar despercebida, especialmente se o seu site já existe há algum tempo ou foi feito sem seguir as melhores práticas do Google.

O fato é que a maneira como o código é organizado determina como os servidores vão ler as informações e em quanto tempo elas aparecerão na tela.

Código duplicado ou tags usadas fora de propósito atrapalham. Felizmente, não é preciso rever toda a estrutura de código para fazer as mudanças necessárias.

 

2. Bom uso do cache

Um dos principais elementos analisados é a quantidade de recursos que o navegador precisa assimilar da sua página.

Isso inclui imagens, scripts, fontes etc. Tudo isso pode ficar “gravado na memória” do navegador por meio do cache.

Assim, o navegador só vai carregar os elementos uma vez. Toda vez que o usuário trocar de página, o browser vai apenas “se lembrar deles” e puxar as informações necessárias do cache.

Mas é preciso que você otimize seu site para fazer bom uso dessa possibilidade.

 

3. Compressão de recursos

Um dos elementos que mais pesam no carregamento de uma página são as imagens, o que faz da compressão uma das recomendações mais importantes.

Muita gente se esquece de comprimir as imagens, que pesam bastante e deixam os sites mais lentos.

Com a internet cada vez mais visual, é comum ter muitos arquivos desse tipo. Então, nada melhor que usar um bom compressor para reduzir o tamanho desses arquivos.

O mesmo vale para CSS e Javascript. Junto com o HTML, eles compõem toda a página. Então, é mais do que óbvio que a compressão desses arquivos fará o seu desempenho vai melhorar significativamente.

 

4. AMP: Accelerated mobile pages

O AMP é mais uma iniciativa do próprio Google para garantir que as páginas de sites sejam carregadas de forma mais rápida em dispositivos móveis.

A ideia é oferecer uma experiência mobile mais básica, sem coisas que funcionariam melhor nas versões para desktop. Por tirar esses recursos desnecessários, a velocidade fica maior.

Isso deixa claro que para o usuário é melhor ter uma experiência simples e rápida do que uma versão do site cheia de recursos e ser obrigado a esperar mais tempo para ver o conteúdo.

Você gostou do post? Ficou com dúvidas? Entre em contato conosco!

Compartilhe este artigo em suas redes: